terça-feira, 30 de novembro de 2010

Na vila cruzeiro

video
       Eram quatro amigas inseparáveis, trabalharam juntas numa mesma cozinha de escola pública, desenlatando e esquentando merenda escolar. Conheciam profundamente cada uma , as dores e histórias da outra.
       Gina era tomada de calores de menina já não tão moça que a levavam a um quase coma, tinha a certeza de que não era tarada, mas o conforto do ventilador na velocidade 3, mirado  nas partes intimas aos domingos ,enquanto assistia o "Sirvio Santos" e Faustão lhe faziam mais bem do que o próprio sexo com o marido.
       Lene deo gostava de fumar e tomar cerveja, embora falasse muito palavrão era pura de sentimentos e alma, foi obrigada assim a adquirir um comportamento mais masculino, para se defender das coisas aí de fora. Mas mantinha um espírito doce e afável como de uma menininha de jardim de infância, se incomodava que todos achavam que ela pudesse ser "sapatão", foi levada a um presídio por Gina que tem primo preso e lá conheceu cenoura com quem namora até hoje. Pode assim mostrar sua grandeza de alma feminina adotou a filha de cenoura aqui fora.
       Talita já viveu seu áureos tempos, quando pode se desligar do serviço público e gozar as regalias a partir de um romance com um advogado/empresário, que ajudou ela a educar seus dois filhos do casamento anterior e certa vez até viajaram juntos para Orlando, mas como a vida tem  que pregar peças nas pessoas, teve esse marido preso em função de um assunto não bem explicado com o governo de estado, e os filhos formados e casados com gente da pequena burguesia, passam a evitá-la, voltando para a merenda escolar só, amarga e com tanta ódio de tudo que seria capaz de matar alguém com aquela faca de picar tomate.
       Cristina, talvez a mais emblemática de todas elas, misteriosa sempre morou só em uma casa de herança  num bairro bom,tem visões e epifanias, todos os domingos vai a missa e quando não vai parece que algo lhe rompe as entranhas, tornando-lhe vitima dos mais terríveis súbitos e presságios babando e falando sozinha por incontáveis horas, coisa que assusta bastante as pessoas que lhe estão vendo pela primeira vez.
       Essas quatro senhoras de tão amigas, pensaram intocáveis se envolveram num esquema de desvio de recursos da merenda escolar de São Paulo orientadas por barões que conheceram nestas visitas nos presídios do oeste Paulista, há menos de dois anos foram obrigada a desaparecer.
       Pegaram a via Dultra como alternativa e dirigiram-se ao Rio de Janeiro, na Avenida Brasil ainda olhava para trás como se temessem alguma viatura as seguindo de São Paulo, foi ali que viram pela primeira vez a vila Cruzeiro, seu novo endereço.
       Na fuga ,um amigo de presídio deu-lhes o endereço para que elas recomeçassem a vida na vila cruzeiro, quando ali chegaram um aperto no coração misturado a sensação de começar de novo, tomou conta delas, todas aquelas vielas, o calor, a falação dos cariocas, os aromas as cores tudo as recebia acolhedora e calorosamente.
       Não sei se por coincidência,acaso ou fatalidade chegaram no dia daquele pagofunk, onde estava Adriano, Wagner Love, Bruno e até aquela namorada que hoje está desaparecida. Gina montou uma barraca de pastel, Lene deo faz e vende quentinha, Talita é apontadora do jogo do bicho e Cristina faz contabilidade da venda de butijão e de TV a cabo clandestina nas comunidades. Ninguém poderia imaginar que se adaptariam tão bem na cidade maravilhosa.
       Tudo corria muito bem .Nas últimas semanas Cristina não pode ir a missa atarantada de tanto trabalho, algo estava por acontecer as quatro amigas se olharam com olhar de espanto e assim começou a invasão do exército na vila cruzeiro. Acaso ou coincidência, haviam fugido de São Paulo sido bem acolhidas e agora novamente teriam que fugir  e recomeçar a vida que só é rica em argrúrias.
Pedrão Guimarães

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

PÁRA XICA


Ela foi uma criança alegre, serelepe e saltitante. Mesmo com seus quilinhos a mais, era só alegria e disposição. Por volta de 1981, fazia sua quinta série. Não demorou muito para que garotos de alma sebosa começassem a encrespar com a pobre criança, faziam-lhe insultos com relação a sua cor, seu peso e seus trejeitos.
Ela sofreu muito naquele momento, a infância não é só candura para as crianças. Teve medo, chegou até em pensar no isolamento. Mas havia algo mais forte que lhe gritava das grutas interiores. Tinha alma de artista, acompanhava as novelas, sabia imitar seqüências inteiras de diálogos das atrizes, conhecia de cor as trilhas e já freqüentava programas de auditório, levada por sua irmã mais velha que houvera recém chegado moçinha do Pernambuco.
Alguém com este perfil não iria deixar se abater por assédio moral de garotos chinfrins, ela própria preferia o assédio sexual.
Admite que foi forçada a se entregar para três moleques no banheiro da escola. E que depois deste episódio percebeu que poderia ser respeitada. Por uma estranha razão perdeu o medo de todos, passou a revidar todo tipo de insulto e provocação, se apoiando na sua estrutura física avantajada descia o braço nos agressores, jogava coisas certa vez até tentou furar um antagonista com um lápis bem afiado.
Essa frágil e entristecida criança houvera se tornado referência entre os jovens daquela escola, era tão temida como os “bandidinhos” locais. Passou então a experimentar desacatos e contravenções, o shortinho agora era curto e apertado, camisetinhas não lhe cobriam a barriga, ninguém mais tinha coragem de dizer nada.
Como ela própria diz havia se tornado maloqueira /putinha como forma de defesa e reação a tudo que sofrerá, nessa altura terminando a oitava série, já havia sido apresentada aos cinemas pornô do Anhangabaú e da av. são João, passava horas do dia ali atendendo transeuntes, romeiros, retirantes, policiais e toda sorte de peões.
O PT estava sendo fundado, ela não tinha idéia disso ; mais amou a classe trabalhadora mais que toda a esquerda brasileira daquele fim de ditadura.
Mesmo louca nunca abandonou sua parcimônia, estudiosa carregava os livros e cadernos na dobra interna do cotovelo junto ao peito, desfrutou-se mas terminou seus estudos cursou literatura na Pontifícia universidade católica.
Nos dias atuais continua a defender a idéia de que foi graças à discriminação e bolinação (o bulling da época) que se tornou uma das maiores contribuintes do pornô nacional , interagindo com os filmes em tempo real nas salas de cinema ,ao mesmo tempo que tem muito orgulho em ocupar a função de pedagoga numa renomada escola da grande São Paulo, também é jurada de concurso de “pau” e ,nunca se rendeu a tentação de se transformar em travesti, pois convites e oportunidades nunca faltaram a ela.
Sim vestiu –se de mulher muitas vezes e ainda o faz se necessário !Mas como um soldado varonil que volta quase morto da guerra sem desertar, ela nunca se tornou definitivamente uma trava.

                                     PEDRÃO GUIMARÃES                                            

 

terça-feira, 9 de novembro de 2010

BARULHINHO

AUGUSTAS 96

TU... ERA MUITO AMIGA DE GA...,TRABALHAVAM JUNTAS NA AUGUSTA.
CONHECIAM E RESPEITAVAM DÉ... QUE ERA FIEL E HONESTA FUNCIONÁRIA DE TÉ...
QUE AMAVA ENLOUQUECIDAMENTE NA...
AMAR PODE SER MAIS DIFÍCIL QUE ODIAR; MAS AMOR E ÓDIO CAMINHAM LADO A LADO?
AS NOITES ESCONDIAM O PARDO DOS GATOS E LAGARTOS. SÓ ESSAS MENINAS NUNCA ESCONDIAM NADA DE SEUS SOTURNOS PRAZERES.
SEMPRE DISPOSTAS, ENCONTRAVAM-SE PRESENTES EM CORAGEM.
NUMA ATITUDE MAIOR DO QUE PROCEDER.
UMA CUMPLICIDADE DE MULHER QUASE MARAVILHA. DE RELAÇÃO COM HOMENS EM PÉ DE IGUALDADE. UMA VIDA POR UM  FIO, REGADA POR LUXO, DROGAS E PROSTITUIÇÃO; MAS MESMO ASSIM REPLETA DE SANTIDADE E REDENÇÃO.
TU... POR MAIS FLAGELOS QUE PASSOU, RECEBEU UMA HERANÇA NA MOÓCA.
GA...É ESCRAVA SEXUAL DE UM LOIRO NA EUROPA.
DÉ... DESAPARECEU.GOSTARÍAMOS DE SABER ONDE ESTÁS.
TÉ... SE DECEPCIONOU COM SEU GRANDE AMOR, MAS MESMO ASSIM NÃO DEIXOU DE AMAR.
NA... A GENTE NÃO SABE! MAS ACREDITAMOS QUE POSSA ESTAR FELIZ.

                                                                       PEDRO GUIMARÃES
DSC09390.JPG (2312 KB, 2816 x 2112)